Notícias
Últimas notícias
Mulheres comandam trabalho de saneamento básico na região

O tratamento de água e esgoto de Gravatal é operado e supervisionado por engenheiras químicas


Em 2008, a engenheira química Gislaine Lonardi se encontrou em uma fase delicada da sua vida. Recém viúva, precisou se mudar de Urussanga para Tubarão, com as duas filhas, para morar com a sua mãe. Após dois meses como tubaronense, conseguiu uma relocação no mercado de trabalho como técnica de química em uma farmácia de manipulação da Cidade Azul.

Em pouco tempo surgiu outra oportunidade: uma vaga como operadora de Estação de Tratamento de Água. Passou pelo processo seletivo da empresa e no final a escolha foi de um homem. Mas, essa história tem um “porém”. “Quando não deu certo com o contratado, me chamaram de volta e me deram a oportunidade. Foi assim que me tornei a primeira mulher operadora de ETA de Tubarão”, conta orgulhosa.

A Gi, como é conhecida pelos colegas de trabalho, tomou por si a responsabilidade de mostrar que a realidade era diferente daquilo que conheciam até então. “O início foi difícil. Eles não queriam mulher por causa da parte operacional, como carregar peso e fazer manobra de registro. Diziam que era serviço de homem e que mulher não conseguia executar. Mesmo assim eu fui e dali quebrou o tabu”, explica.

Depois de sete anos em Tubarão, passou a atuar pelo Grupo Atlantis, primeiro em Jaguaruna e atualmente na Gravatal Saneamento. Em 2018 ela realizou mais uma conquista: o diploma de engenheira química. “Até então só tinha o curso técnico porque queria ter certeza que era o que eu queria. Além disso, ingressar em uma faculdade demandava questões financeiras e também abrir mão de inúmeros momentos mais presentes com minhas filhas. A primeira oportunidade foi difícil, mas depois engrenou e hoje temos mulheres na área de saneamento, tanto na coordenação, quanto no operacional”, ressalta.

Após a chegada da Gi em Gravatal, como engenheira química responsável por garantir o tratamento adequado da água e esgoto, foi contratada a primeira operadora de ETA da concessão. “A mulher é muito mais bem organizada e consegue realizar as tarefas mais centrada. Enxerguei isso quando tive contato com outras colegas do saneamento. Somos mais persistentes. Quando não dá certo, a gente não se apavora, procura e conserta o que está errado”, relata.

A operadora é a Caroline Menegaz Farias. Há um ano e meio atuando no saneamento, ela conta que é uma área em que se identifica. “Gosto de ver as coisas acontecerem e perceber que podemos contribuir com pouquinho para melhorar o meio ambiente e ver que o processo realmente funciona”, explica.

Ao que tudo indica, a próxima geração crescerá com exemplos de mulheres que mostram que nada está fora de alcance. As filhas da Gislaine, de 13 e 14 anos, seguem o exemplo da mãe e fazem tudo dentro de casa. “Desde nova a presença masculina foi muito ausente porque meu pai era caminhoneiro e meu irmão trabalhava fora. Em casa, sempre foi tudo eu e a mãe que fazíamos, então tive que aprender um pouco de tudo”, revela.

“Eu cheguei mostrando que era capaz de realizar todas as atividades. Nós mulheres não precisamos falar mais nada, já estamos mostrando nossas capacidades e todos sabem que a gente faz muito bem feita”, completa com um sorriso no rosto.

Receba nossas notícias

Tem interesse em receber nossas notícias e ficar por dentro de tudo que acontece em nossa empresa?
Faça seu cadastro ao lado!

Assessoria de Imprensa

Alice Goulart Estevão
comunicacao@grupoatlantis.com.br
(48) 30532565 / (48) 99123 2919